Quinta-feira, 16 de Dezembro de 2004

A Semente

Vi a tua semente ai, num canto.
E deixei-te viver, não me preocupei em matar-te,
Ou arrancar-te do solo.
Quando reparei já tinhas brotado e já crescias.
Crescias a olhos vistos, sempre na mesma direcção,
Sempre com a mesma força.
Acompanhei o teu crescimento e gostava de te ter como companhia.
Por isso comecei a ajudar-te. Alimentava-te, falava contigo,
Dava-te o sol que precisavas e tudo que querias.
Enquanto crescias cada vez mais, eu ia lentamente perdendo as forças.
Cada vez precisavas mais de mim, porque cada vez estavas maior,
Com as raízes mais profundas, com o caule mais grosso. Precisavas de mais.
Estava cansado, porque cuidar-te era difícil.
Começou depois a ser doloroso. Era insuportável ao fim de algum tempo.
Comecei a pensar numa maneira de te arrancar, de te matar, mas já
Era impossível. Estavas completamente indomável. Exigias sempre mais,
Cada vez mais, e eu era obrigado a dar-te, a dar-te tudo que querias,
Nem que para isso tivesse de morrer, para te poder alimentar.
Quando a tua mais forte raiz se espetou no meu coração, ai sim,
Ai percebi que nunca devia ter-te deixado crescer.
Devia logo ter arrancado a semente.

Mas ao início é belo, é frágil, é tão simples. Engana.
E todos nós somos enganados.
O amor é uma planta que tudo suga de nós.


Gabriel Braga
15/12/04

publicado por JoãoSousa às 20:02
link do post | comentar | favorito
8 comentários:
De Anónimo a 17 de Dezembro de 2004 às 19:25
Enganaste-te, amigo, era uma planta carnívora.
Beijo
Stillstillforty
(http://nofiodanavalha.blogspot.com)
(mailto:teresakaflalo@yahoo.com.br)


De Anónimo a 17 de Dezembro de 2004 às 16:36
pois é, no inicio é td lindo, belo e maravilhoso, deixamos o tmp correr p ver no k vai dar e qd nos apercebemos ja n somos nós k mandamos no sentimento ms é ele k manda em nós, e qd isto acontece sofremos, xoramos e tentamos eskecer, ms n conseguimos, pk o sentimento é forte d mais p ixo..verdinha
(http://www.osmeussegredos.blogs.sapo.pt)
(mailto:verde_girl@hotmail.com)


De Anónimo a 17 de Dezembro de 2004 às 14:56
Portanto, o amor é como uma planta... precisa de sol, estrume e água! :-))Carlos Tavares
(http://o-microbio.blogspot.com)
(mailto:carlos.roquegest@mail.telepac.pt)


De Anónimo a 17 de Dezembro de 2004 às 12:15
Sim,mas tanto suga as coisas más cm principalmente as coisas boas. Bonito texto. beijokas.andrye
(http://andrye.blogs.sapo.pt)
(mailto:andrye@sapo.pt)


De Anónimo a 17 de Dezembro de 2004 às 08:03
O infindavel tema do Amor tem realmente muito que se lhe diga. Neste texto revelou uma visão um pouco assustadora mas não menos real. Gostei!Fernando Marques
(http://politicaracional.blogs.sapo.pt)
(mailto:fernandolunae@sapo.pt)


De Anónimo a 17 de Dezembro de 2004 às 02:04
Nem sempre se tem aquilo com se sonha.
...mas enquanto o sonha dura...é bom!mfc
(http://pedemeias.blogspot.com)
(mailto:manuelfelixcosta@msn.com)


De Anónimo a 16 de Dezembro de 2004 às 21:21
Tu n foste obrigado a deixar crescer a planta... Tu é q n a querias matar pq tinhas pavor de viver sem ela... Tô certa? ;)missantipatia
(http://www.missantipatia.blogs.sapo.pt)
(mailto:missantipatia@sapo.pt)


De Anónimo a 16 de Dezembro de 2004 às 20:44
E vai sugando, e continua a sugar..Um dia nada somos e continuamos c este mísero parasita dentro de nós...Adorei o texto, mesmo mto bonito.continua, abraços**empty
(http://levaminhalma.blogs.sapo.pt)
(mailto:gatamalhada_17@hotmail.com)


Comentar post

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 25 seguidores

.Janeiro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.Presente

. À lembrança

. À escrita

. ...

. ...

. Às vezes

. ...

. Lhasa

. Balanço Anual

. Soneto débil

. One Night Stand

.Presente

. À lembrança

. À escrita

. ...

. ...

. Às vezes

. ...

. Lhasa

. Balanço Anual

. Soneto débil

. One Night Stand

.Imagens

SAPO Blogs