Segunda-feira, 9 de Julho de 2007

Divagações / 16 (Em tempos de conclusões)

Em tempos, tudo se acaba, tudo se desvanece, tudo se esgota, tudo se conclui. E no fim apenas se vê um trilho cheio de sobras de vidas e sentimentos espalhados por ali e por além.

Enquanto tudo se vai enrolando e desenrolando nada se guarda, tudo se desperdiça, porque dentro de nós temos tudo que é necessário. Tudo se larga ao calhas e só no fim, quando não há volta a dar, é que nos apercebemos do que deveríamos ter segurado nas mãos e se aquilo que realmente deitamos fora, valeu ao menos a pena…

música: The Knife - Marble House

publicado por JoãoSousa às 21:00
link do post | comentar | favorito
3 comentários:
De V.A.D. a 9 de Julho de 2007 às 22:43
Sem dúvida um belíssimo texto, pleno de profundidade, que nos leva a fazer um balanço das coisas passadas...

Um abraço


De Constantine a 10 de Julho de 2007 às 11:25
A imagem das coisas vai-se alterando em nós e vai-nos alterando, assim podemos concluir, fechar de vez aquilo que não nos matou e por isso nos tornou mais fortes? Dar como adquirido qualquer coisa?


De Emanuela a 12 de Julho de 2007 às 01:29
É verdade amigo. Quantas vezes olhamos para trás e falamos: "Eu era feliz e não sabia..." Aí é tarde para lamentar. Beijinhos!


Comentar post

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 25 seguidores

.Janeiro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.Presente

. À lembrança

. À escrita

. ...

. ...

. Às vezes

. ...

. Lhasa

. Balanço Anual

. Soneto débil

. One Night Stand

.Presente

. À lembrança

. À escrita

. ...

. ...

. Às vezes

. ...

. Lhasa

. Balanço Anual

. Soneto débil

. One Night Stand

.Imagens

SAPO Blogs