Quinta-feira, 3 de Maio de 2007

Carta de Amor do Senhor Conquista



Doce senhora singela,

Que meu coração conquistou.

Por ser tão meiga, tão bela,

Veja quão triste estou.

 

Passo todo o dia em ânsias,

Para na rua a encontrar.

E quando a vislumbro um pouco,

O meu coração dói, de tanto amar.

 

Não sei que cruel feitiço,

Lançaram em meu coração.

Mas magoa, dói, fere,

Pior que qualquer privação.

 

Se eu, por algum sinal,

Soubesse ser correspondido.

Não sabe, formosa senhora,

Como lhe ficava agradecido.

 

Porque amar alguém sozinho,

É pior que qualquer morte.

Quem me dera, doce donzela,

Ser digno de tal sorte.

 

Ai! Minha agonia!

Minha pobre maldição.

Porquê senhora minha?

Porque roubou meu coração?

 

E como cobarde escrevo,

Todo este meu desgosto.

Esperando que um dia,

Meu amor por si, seja exposto.

 

E peço ao grande Senhor,

Que esse dia venha cedo.

Porque a sofrer desta maneira,

Vou morrer, e tenho Medo!

 

Minha tão nobre senhora,

Peço-lhe que não resista,

Quando receber uma simples carta

De mim, Senhor Conquista.

 


Gabriel Braga
 
música: Dolores O'Riordan- Ordinary Day

publicado por JoãoSousa às 00:27
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 25 seguidores

.Janeiro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.Presente

. À lembrança

. À escrita

. ...

. ...

. Às vezes

. ...

. Lhasa

. Balanço Anual

. Soneto débil

. One Night Stand

.Presente

. À lembrança

. À escrita

. ...

. ...

. Às vezes

. ...

. Lhasa

. Balanço Anual

. Soneto débil

. One Night Stand

.Imagens

SAPO Blogs