Domingo, 22 de Abril de 2007

Cigana Alegria



Já a noite ia avançada

E no meio da praça

Cantava a ciganada.

Acendia-se a fogueira

Brotavam os sons de magia

E do meio do escuro

Saía a Cigana Alegria.

 

Com o seu sorriso rasgado,

E as suas saias ao vento.

Os olhos de gato assanhado,

Dançava para toda a gente.

 

Já muitos a esperavam,

Fosse noite ou fosse dia,

Os dizeres daquela cigana,

Eram hinos de alegria.

 

Quem lhe desse a mão para ler,

Ou pedisse para deitar as cartas

Tinha amor, saúde e dinheiro,

Todas as sortes bem fartas.

 

E em noites de lua cheia,

Nos seus delírios de vidente

Cantava grandes ladainhas,

Com um sorriso contente.

 

Por pior que fosse

O que estivesse para vir,

Ela não se importava,

Continuava sempre a sorrir.

 

Quando chegou a guerra à terra

E com ela todo o seu terror,

A cigana lá continuava

A espalhar o seu amor.

 

Mas numa noite terrível,

Ela sozinha dançava,

Tinha acendido a fogueira,

E alguns corajosos cantavam.

Quando, não se sabe d’onde,

Um tiro se abateu,

E quando deram por ela,

A cigana no chão morreu.


 

Gabriel Braga

música: Goldfrapp - Strict Machine

publicado por JoãoSousa às 19:57
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 25 seguidores

.Janeiro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.Presente

. À lembrança

. À escrita

. ...

. ...

. Às vezes

. ...

. Lhasa

. Balanço Anual

. Soneto débil

. One Night Stand

.Presente

. À lembrança

. À escrita

. ...

. ...

. Às vezes

. ...

. Lhasa

. Balanço Anual

. Soneto débil

. One Night Stand

.Imagens

SAPO Blogs