Terça-feira, 10 de Abril de 2007

Madame Vaidade



Encostada na chaise longue

Fumando um longo cigarro,

Com seu copo na mão,

Cantava um soneto bizarro.

 

Tocou a sineta,

Veio a empregada,

Madame Vaidade

Estava entediada.

 

Chamou motorista,

E guarda-costas também,

Um passeio pela rua,

Iria fazer-lhe bem.

 

Madame Vaidade,

Pela cidade passeava,

Quando um menino pequeno

A sua saia agarrava.

 

Puxou a sua encharpe francesa

Para que o menino não a sujasse.

Gritou, na sua altivez de nobreza,

“Cet une terrible desgrace!”

 

O guarda-costas, um brutamontes,

A criança, da senhora, afastou.

E nesse preciso instante,

A criança, entendida, a bajulou.

 

Madame Vaidade mandou-o ficar

O que ela gostava era de se mostrar.

 

O menino, com todas as suas manhas,

Encantou Madame Vaidade,

E com as suas mãos pequeninas,

Roubou-a com toda a dignidade.


 

Gabriel Braga


 

música: The Killers - Read My Mind

publicado por JoãoSousa às 21:12
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De Perola & Granito a 10 de Abril de 2007 às 21:23
bonito


De melissa.yedda a 11 de Outubro de 2007 às 02:29
És mesmo um poeta...Abraços!


Comentar post

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 25 seguidores

.Janeiro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.Presente

. À lembrança

. À escrita

. ...

. ...

. Às vezes

. ...

. Lhasa

. Balanço Anual

. Soneto débil

. One Night Stand

.Presente

. À lembrança

. À escrita

. ...

. ...

. Às vezes

. ...

. Lhasa

. Balanço Anual

. Soneto débil

. One Night Stand

.Imagens

SAPO Blogs