Segunda-feira, 25 de Abril de 2005

O Diário I

Querido diário,

Hoje a mamã fez anos.
Ela acordou muito bem disposta e nem foi trabalhar. Levou-me a mim e ao meu maninho para a escola. Já há muito que ela não nos levava para a escola.
É sempre o pai. E chegamos sempre atrasados.
Foi a mamã que nos fez o almoço. Estava muito bom e ao fim do almoço, fomos todos às compras ao centro comercial.
O papá ofereceu um anel muito brilhante e a minha mãe quase chorava de alegria. Deve ser pelas vezes que discutem cá em casa.
Compramos roupas novas para usarmos hoje de noite na festa que a minha mãe organizou aqui em casa com os amigos. Comemos gelados e gomas, brincamos no parque.
Depois a mamã foi ao cabeleireiro para se pôr bonita para a festa logo à noite. E foi o pai que nos trouxe a casa. Estava contente hoje.
Tinhamos de tomar banho e vestir as roupas novas que compramos de tarde.
O pai deu banho ao maninho e pô-lo a dormir a sesta. Depois ajudou-me a mim a tomar banho. Ele diz sempre que eu preciso de passar bem todo o corpo com sabão e que há sitios em que nao chego bem, por isso ele ajuda-me. E tenho de pôr muito shampô no cabelo para ficar com ele brilhante e forte .
Perguntou-me se a nódoa negra que fiz noutro dia quando... quando caí já tinha sarado e ficou contente quando não a viu.
Embrulhou-me na toalha e trouxe-me ao quarto para me ajudar a vestir. Eu disse-lhe que não precisava de ajuda para me vestir, mas ele começou logo a resmungar que eu ia enrodilhar o vestido, que ia ficar toda mal arranjada e que a mãe ia ficar muito triste.
A mamã chegou muito bonita. E atras dela chegaram os amigos dela. Alguns eu conhecia, outros não.
O meu pai ralhou-me na cozinha por eu ter fugido dos senhores amigos da minha mae, que me queriam cumprimentar.
Não gosto de homens grandes. Não gosto.
Depois fui brincar para o jardim com os filhos dos amigos da minha mamã.
O jantar estáva muito bom. A minha mãe encomendou-o a um restaurante muito chique. O meu pai nao parava de beber com os outros homens. Não gosto que o meu pai beba! Não gosto.
Depois do jantar foram todos para a sala falar e jogar cartas e fumar. Alguns dos amigos foram embora com os filhos, mas outros ficaram.
O meu irmao adormeceu num banco, no colo da minha mãe. Eu aproveitei e como ninguem me viu, vim-me deitar sem me despedir de ninguem.
Não sei quanto tempo dormi, mas acordei mal ouvi a porta a abrir devagarinho.
Era o meu pai. Sentou-se na minha cama e perguntou-me se estava a dormir.
Deitou-se ao meu lado e falava baixinho. Cheirava tanto a vinho.
“A tua mãe já está a dormir, o teu irmão já dorme. E tu vieste dormir sem me dares um beijo de boa noite!”.
Pôs-me a mão no cabelo.
“Vá lá. Dá um beijo de boa noite ao pai!”
Fechei os olhos e fiz toda a força que consegui para adormecer outra vez. Mas não consegui.
Não consegui porque o meu pai não me deixava. Não consegui porque ele me aleijava. E ainda não consegui porque me dói tudo.
A culpa é minha!
A culpa é minha porque não me despedi do meu papá quando vim dormir.


Gabriel Braga

publicado por JoãoSousa às 21:13
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De Anónimo a 27 de Abril de 2005 às 12:44
A inocencia de uma criança q pensa q a culpa é dele p ter um merda de pai!beijokas..andrye
(http://andrye.blogs.sapo.pt)
(mailto:andrye@sapo.pt)


De Anónimo a 26 de Abril de 2005 às 10:13
a culpa persegue-nos pela vida fora. nunca nos largara.pedro andrade
(http://opoemario.blogspot.com)
(mailto:pedroandrade.net@iol.pt)


Comentar post

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 25 seguidores

.Janeiro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.Presente

. À lembrança

. À escrita

. ...

. ...

. Às vezes

. ...

. Lhasa

. Balanço Anual

. Soneto débil

. One Night Stand

.Presente

. À lembrança

. À escrita

. ...

. ...

. Às vezes

. ...

. Lhasa

. Balanço Anual

. Soneto débil

. One Night Stand

.Imagens

SAPO Blogs