Segunda-feira, 15 de Março de 2004

O semeador

old_hands.jpg

E o homem contou uma história incrível. Moura já a conhecia, porque fez referência a uma consulta na cidade. Mas de nada lhe valeu, porque o homem queria contá-la outra vez desde o princípio. Receava decerto que lhe tivesse falhado algum pormenor e que isso lhe destruísse a esperança. Contava-a agora de novo:
- Quando foi da sementeira, o patrão Arnaldo disse-me: «Ó Bailote, tu já não tens a mesma mão para semear.» Porque eu, senhor doutor, tive sempre uma mão funda, assim grande, como um cocho de cortiça. Eu metia a não ao saco e vinha cheia de semente. Atirava-a à terra e semeava uma jeira num ar.
Conta, bom homem, conta o teu sonho perdido. Tinhas, pois, uma boa mão de semeador bíblico. Atiravas a semente e a vida nascia a teus pés. Eras senhor da criação e o universo cumpriam-se no teu gesto. E, enquanto o homem falava, eu olhava-lhe a face escurecida dos séculos, os olhos doridos da sua divindade morta. Imaginava-o outrora dominando a planície com a sua mão poderosa. A terra abria-se à sua passagem como à passagem de uma deus. A terra conhecia-o seu irmão como à chuva e ao sol, identificado à sua força de biliões.
- Agora o patrão diz que já na tenho mão.
E mostrava a sua desgraçada mão, envelhecida, carbonizada de anos e soalheira. Moura olhou-me e sorriu-me numa cumplicidade.
- Olhe. Faça ginástica aos dedos. Assim.
E exemplificava. De olhos escorraçados, o homem lamentou-se:
- Tenho feito, senhor doutor. Mas o patrão Arnaldo diz que já na tenho mão. Veja, senhor doutor, então isto não será ainda uma mão de homem?
E tentava cavá-la fundo, com os dedos gretados no ar.
- Então que quer que eu lhe faça?
- Dê-me um remédio, senhor doutor. Um remédio que me ponha a mão como a tinha. Assim grande, assim funda, assim, assim...
E moldava no ar a capacidade de uma mão de Jeová. Fios de sol escorriam de uma azinheira perto da estrada. Os campos repousavam no grande e plácido Outono. E pelo vasto céu azul, sem a mancha de uma nuvem, ecoava levemente a última memória de Verão. Moura pôs o motor a trabalhar.
- Então passe muito bem - disse ao semeador.
E o carro arrancou, erguendo o pó do caminho.
Mas a visita à doente foi breve. Era uma casa fidalga perdida no descampado. Espectros de um ou outro homem ou mulher olhavam-me no carro parado, olhavam o silêncio em redor. Regressámos enfim pelo mesmo caminho. Quando, porém, chegámos ao monte do semeador, saltou-nos à frente um grupo de pessoas numa sarilhada de gritos, de imprecações, braços no ar, braços apontados para uma loja. Moura saiu do carro e o magote de gente seguiu-o. Fiquei só. Mas o médico regressava daí a pouco, pálido, transtornado.
- Que aconteceu?
Ele não respondeu logo, conduzindo o carro aos tropeções. E só quando o monte se não via já me declarou:
- O homem enforcou-se.

Vergílio Ferreira in Aparição

publicado por JoãoSousa às 21:03
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Anónimo a 15 de Março de 2004 às 23:05
a impotência do homem em relação à força do tempo... uma das minhas passagens preferidas de "Aparição"

</a>
(mailto:)


Comentar post

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 25 seguidores

.Janeiro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.Presente

. À lembrança

. À escrita

. ...

. ...

. Às vezes

. ...

. Lhasa

. Balanço Anual

. Soneto débil

. One Night Stand

.Em Antena

.Presente

. À lembrança

. À escrita

. ...

. ...

. Às vezes

. ...

. Lhasa

. Balanço Anual

. Soneto débil

. One Night Stand

.Em Leitura


O Mundo de Sofia - Jostein Gaarder



O Amor Em Tempos de Cólera - Gabriel Garcia Márquez


O romance da raposa - Aquilino Ribeiro


A Arte da Fuga - Daniel Sampaio


Laranja Mecânica - Anthony Burgess



Tudo Que Temos Cá Dentro - Daniel Sampaio

.Blogs

Naif Naif
Studio 78
Marilia's Livejournal
Antigos Caminhos
O Micróbio
Photo of the Day Ng
Cine Blog
A whisper in your hear
O Meu Entendimento
Emanuela
Dentro de Mim
Parlamento do Pica Pau
Gritos Mudos

.Videos

Luciano Pavarotti & DOlores O'riordan - Avé Maria Arcade Fire - Wake Up Sigur Rós - Hoppipolla "I recorded my Amaryllis flower with my webcam for a month, taking 1 photo every 13m 20s. It is played back here at 25 frames per second to Liz Phair's song "Flower". This is my first attempt at timelapse photography, so it's not perfect, but not bad." - by paul Newson

.Imagens

SAPO Blogs