Sábado, 10 de Julho de 2004

O milagre!

muse1.jpg

"Podia ser a propósito do DVD "Hullabaloo – Live at Le Zenith - Paris"; podia ser a propósito de já estar marcado o seu próximo concerto em Portugal; podia até ser por causa do último CD "Absolution", mas não é.
É a propósito de tudo o que se relaciona com esse milagre que se chama Muse. É muito difícil escrever sobre algo tão mágico, tão poderoso e tão profundo como é a música criada pelos Muse.
Poderia dizer que Mattew Bellamy é um génio criativo, estaria a falar a verdade, mas estaria a dizer muito pouco sobre aquilo que é essencial. A música de Muse serve para ser sentida. É um estado que se instala. Durante um concerto de Muse, quem está no público é atravessado pela mesma voz: às vezes, em segredo; às vezes, um delírio; outras vezes, um grito que nasce dentro dos pulmões com se no interior da terra. Num momento é um céu de gotas frágeis e prateadas de chuva, logo a seguir é trovões que arrastam montanhas negras no céu.
Não existe contenção de emoções. Os Muse não são contidos. Existem emoções verdadeiras que jorram como avalanches. Não é pouco vulgar, haver bandas que adoramos e que nos envergonham quando lemos os livrinhos de letras dos CDs. Esse não é o caso dos Muse. Com a maioria das letras escritas por aquele que divide a sua atenção entre as teclas, a guitarra eléctrica e a voz, Matthew Bellamy, existem versos que podiam estar em qualquer livro da melhor poesia comtemporânea.
No primeiro disco, havia algumas linhas de contacto com os passos iniciais dos radiohead. No entanto essa ilusão desfez -se rapidamente. Há muito tempo que os Muse demonstraram que aquilo que os distingue é exactamente a demarcação de um percurso singular dentro de um Rock que nunca deixa de ser rock, embora estique este género musical até todos os seus
limites.
Se há uma banda que me dê vontade de comprar um marcador para escrever o seu nome em todas as paredes, essa banda é Muse. É feio sujar as paredes. Esta é a minha maneira de comprar esse marcador e escrever aqui aqui mesmo: MUSE."

Rubrica de José Luís Peixoto retirado da Rock Sound

Enviado por Jaci

Eu tinha de postar isto!



Gabriel braga

publicado por JoãoSousa às 19:40
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Anónimo a 11 de Julho de 2004 às 21:05
grande milagre! tb achei lindo!:D jaci
</a>
(mailto:)


Comentar post

.mais sobre mim

.Janeiro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.Presente

. À lembrança

. À escrita

. ...

. ...

. Às vezes

. ...

. Lhasa

. Balanço Anual

. Soneto débil

. One Night Stand

.Em Antena

.Passado

.Em Leitura


O Mundo de Sofia - Jostein Gaarder



O Amor Em Tempos de Cólera - Gabriel Garcia Márquez


O romance da raposa - Aquilino Ribeiro


A Arte da Fuga - Daniel Sampaio


Laranja Mecânica - Anthony Burgess



Tudo Que Temos Cá Dentro - Daniel Sampaio

.Blogs

Naif Naif
Studio 78
Marilia's Livejournal
Antigos Caminhos
O Micróbio
Photo of the Day Ng
Cine Blog
A whisper in your hear
O Meu Entendimento
Emanuela
Dentro de Mim
Parlamento do Pica Pau
Gritos Mudos

.Videos

Luciano Pavarotti & DOlores O'riordan - Avé Maria Arcade Fire - Wake Up Sigur Rós - Hoppipolla "I recorded my Amaryllis flower with my webcam for a month, taking 1 photo every 13m 20s. It is played back here at 25 frames per second to Liz Phair's song "Flower". This is my first attempt at timelapse photography, so it's not perfect, but not bad." - by paul Newson

.Imagens

blogs SAPO