Quarta-feira, 15 de Dezembro de 2004

A descoberta

33304.jpg

Lembro-me quando olhávamos para a lua, acabada de nascer, um simples risco no céu escuro.
Depois despias-te e o teu corpo ficava a brilhar com a luz que existia não sei de onde e os reflexos da água faziam desenhos no teu corpo.
Então eu despia-me, e ficávamos a olhar-nos os dois no escuro, a conhecermo-nos.
Punhas-me a mão no peito e eu respirava fundo. Precisávamos de nos tocar para percebermos que aquilo que víamos era real.
Passava as mãos pela tua cara e encontrava os teus olhos, os teus lábios, depois descia pelo teu cabelo e tocava-te nas costas. E as mãos deslizavam por elas de tão suave era a tua pele. Subia novamente e passava pelos teus ombros perfeitos e descia, o teu peito os seios, tudo isso era novo nas minhas mãos, apesar de o meu olhar estar já habituado a ver-te. As minhas mãos estavam maravilhadas. Devagar, senti cada poro da barriga e cheguei as coxas, contornando-as, conhecendo-as de todas as perspectivas. Deslizei devagar até aos pés, num movimento que demorou uma eternidade.
Conheci-te. Em todo o teu ser, Conheci-te.
Foi a tua vez.
Na mesma lentidão, com o mesmo toque suave, conheceste todo o meu corpo. De cima a baixo aprendeste a localização de cada cicatriz, de cada covinha, de cada poro.
O teu toque era tão suave que me sentias respirar por todo o corpo.
Finalmente chegaste à ponta dos meus pés.
Deitaste-te em cima de mim. O meu corpo recebeu bem o teu frio com uns arrepios delirantes. Beijaste-me o peito, a cara e disseste-me suavemente ao ouvido:
"Agora que nos conhecemos totalmente, é hora de nos separarmos. A partir de hoje nada ganharemos com este amor. Apenas perderemos. Completaremos agora o expoente máximo do nosso conhecimento mútuo e partiremos, cada um para seu lado, sem tristeza nem remorsos. Apenas felizes porque sabermos que algures, está alguém que conhecemos completamente e que nos conhece também da mesma forma."
E entregou-me de vez o corpo, antes de partir.

A verdade é que não estou triste.
Apenas só.


Gabriel Braga
15/12/04

publicado por JoãoSousa às 13:18
link do post | comentar | favorito
|
15 comentários:
De Anónimo a 17 de Dezembro de 2004 às 12:17
A paixao é mt boa e mesmo q seja c kem n devemos desde q nos sentimos felizes axo q vale tudo. beijokas. Adorei.andrye
(http://andrye.blogs.sapo.pt)
(mailto:andrye@sapo.pt)


De Anónimo a 16 de Dezembro de 2004 às 18:08
Muito intenso.

gostei da ultima parte:
"a verdade é que não estou triste apenas só"

Bjundas

=*JeriLee
(http://tiakeu.blogspot.com)
(mailto:jerilee@hotmail.com)


De Anónimo a 16 de Dezembro de 2004 às 14:58
É tão bonito entregarmo nos á pessoa que Amamos!Enquanto não houver Amor...Bem...Entregamo nos á cumplicidade...á atracção!!!
bjos,
fica bembarmaid
(http://www.barmaid.blogs.sapo.pt)
(mailto:hjbkj@sapo.pt)


De Anónimo a 16 de Dezembro de 2004 às 14:53
Dou te a minha mão para que não te sintas tão só.. um belo devaneio teu delicioso de ser ler.. agradavel e mt meigo Beijo Te**Black Rose
(http://wwwalguemperdido.blogspot.com)
(mailto:gu4no@hotmail.com)


De Anónimo a 16 de Dezembro de 2004 às 14:05
Gostei imenso :)
Escreves muito bem,parabens.Beijokas****Monica
(http://wwwmypapermoon.blogspot.com)
(mailto:mnh@sapo.pt)


De Anónimo a 16 de Dezembro de 2004 às 12:56
Esqueceste-te de colocar a bolinha no canto... :-))Carlos Tavares
(http://o-microbio.blogspot.com)
(mailto:carlos.roquegest@mail.telepac.pt)


De Anónimo a 16 de Dezembro de 2004 às 01:38
Tema muito bem tratado e lindamente escrito.
O final é surpreendente, inteligível,mas não crível.
Quem o faria?
Eu não, por certo! mfc
(http://pedemeias.blogspot.com)
(mailto:manuelfelixcosta@msn.com)


De Anónimo a 15 de Dezembro de 2004 às 20:29
Tu nao estás só, tens montes de gente q te adora perto de ti... Só n tens quem mais queres, e por isso o teu coraçao se sente assim... só!
Descreveste tao detalhadamente o enredo do momento que qd acabei de ler pensei q eu era ela e ele era ele! do u know what i mean? ;)missantipatia
(http://www.missantipatia.blogs.sapo.pt)
(mailto:missantipatia@sapo.pr)


De Anónimo a 15 de Dezembro de 2004 às 19:33
Extremamente sensual, delirante até este teu escrito. Não te despeças assim. Vai...corre, ainda a apanhas. Garanto-te!stillforty
(http://nofiodanavalha.blogspot.pt)
(mailto:teresakaflalo@yahoo.com.br)


De Anónimo a 15 de Dezembro de 2004 às 18:15
O_o perder alguem dps d td exe ritual lindo, eu n aguentava.. n sei cm tas triste eu estaria infinitamente triste =\verdinha
(http://www.osmeussegredos.blogs.sapo.pt)
(mailto:verde_girl@hotmail.com)


Comentar post

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 25 seguidores

.Janeiro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.Presente

. À lembrança

. À escrita

. ...

. ...

. Às vezes

. ...

. Lhasa

. Balanço Anual

. Soneto débil

. One Night Stand

.Em Antena

.Presente

. À lembrança

. À escrita

. ...

. ...

. Às vezes

. ...

. Lhasa

. Balanço Anual

. Soneto débil

. One Night Stand

.Em Leitura


O Mundo de Sofia - Jostein Gaarder



O Amor Em Tempos de Cólera - Gabriel Garcia Márquez


O romance da raposa - Aquilino Ribeiro


A Arte da Fuga - Daniel Sampaio


Laranja Mecânica - Anthony Burgess



Tudo Que Temos Cá Dentro - Daniel Sampaio

.Blogs

Naif Naif
Studio 78
Marilia's Livejournal
Antigos Caminhos
O Micróbio
Photo of the Day Ng
Cine Blog
A whisper in your hear
O Meu Entendimento
Emanuela
Dentro de Mim
Parlamento do Pica Pau
Gritos Mudos

.Videos

Luciano Pavarotti & DOlores O'riordan - Avé Maria Arcade Fire - Wake Up Sigur Rós - Hoppipolla "I recorded my Amaryllis flower with my webcam for a month, taking 1 photo every 13m 20s. It is played back here at 25 frames per second to Liz Phair's song "Flower". This is my first attempt at timelapse photography, so it's not perfect, but not bad." - by paul Newson

.Imagens

SAPO Blogs