Domingo, 10 de Abril de 2005

Quarta Feira

Era quarta. Meu dia de folga.
Acordei, já passava da hora e fiquei mal disposto.
Tinha de cortar a relva, mas agora estava muito sol para a cortar.
Tinha de ir comprar umas lâmpadas para os candeeiros da sala mas a àquela hora a Rita já tinha saído para levar os miúdos à escola.
Fiquei ainda mais mal disposto. Podia-me ter acordado ela. Sabia que tinha coisas a fazer.
Depois anda sempre a queixar-se da casa.
"Tu não cortas a relva enquanto está bom tempo... Tu não fazes nada por esta casa", diz ela quase todos os dias. E quando eu tenho tempo para arranjar tudo, ela não me acorda. "Mulheres... Mulheres..." suspirei eu enquanto me despia para o duche.
Estava a entrar no banho mas a água estava gelada. O esquentador estava desligado.
"Raios te partam Rita! Raios te partam!" Gritei enquanto descia as escadas a correr. Ia tropeçando nas escadas porque estavam cheios de brinquedos deles. Resmunguei porque eles nunca arrumavam nada. "Raio de miúdos. Raio de miúdos!"
Tomei o meu banho para tentar relaxar. E depois de me vestir desci para comer um bom almoço.
Em cima da banca da cozinha tinha um bilhete. "Tens restos do almoço para ti, no microondas. Aquece e come o que te apetecer. Fui levar as crianças à escola e vou às compras!".
Nem um beijo. Nem um beijo me deixou. Raios de mulher. Às vezes enerva-me tanto. Ela sabe que eu sou nervoso. Já a avisei disso. Ela sabe.
Comi os restos que havia no microondas. "Não me podia ter acordado para almoçarmos em família? Às vezes parece parva a mulher!" Resmungava, enquanto acabava a cerveja.
Dei os restos ao cão. Deixei a louça na banca e fui lá fora regar as plantas. Já não dava para cortar a relva. Por culpa dela a relva estava a ficar estragada e as ervas daninhas estavam a destruir-lhe o canteiro. Por culpa dela. "Mulher Parva!"
Peguei nalgumas cervejas e sentei-me no sofá.
A tarde já ia quase no fim, o pacote de 12 cervejas também, o filme da tarde também e principalmente a minha paciência.
"Onde se meteu o raio da mulher?" Perguntava eu alto enquanto me levantava para lhe ir telefonar, mas as pernas já não obedeciam e então deixei-me estar no sofá à espera mais um pouco.
Finalmente chegou. Os putos vinham numa correria desenfreada pela casa e acordaram-me. Já passava das sete, eu tinha adormecido, ela tinha excedido das horas nas compras.
Os miúdos subiram, eu levantei-me, ela entrou com as compras e um sorriso na cara.
"Comprei esta camisola nova para mim e uma para ti. Gostas?" perguntou-me ela enquanto me mostrava as camisolas.
"Isto são horas?" perguntei-lhe. Peguei nas camisolas e mandei-as para longe.
"Disse-te que tinha de cortar a relva e comprar lâmpadas e tu não me acordaste. Ia tomar banho mas tu desligaste o esquentador. Tive de comer os restos porque não me acordaste para almoçarmos em família. Fiquei toda a tarde à tua espera para podermos estar só os dois. Para podermos divertir-nos os dois e tu apareces-me a estas horas? E o raio dos miúdos não se calam!"
A cada palavra que dizia mais me irritava e menos sorriso via na cara dela.
"Mas que andaste tu a fazer todo o dia?". Já gritava com ela, mas tinha razão.
"Tu acalma-te!" dizia ela. "Já andaste a beber." Resmungou baixinho enquanto arrumava as latas de cerveja no lixo. Mas eu ouvi
Dei-lhe um estalo. "Que queres tu dizer com isso?" perguntei-lhe. Ela não me olhava nem me respondia. Agarrei-lhe os cabelos e repeti a pergunta. Mas ela não me respondeu.
Os miúdos já não se ouviam. Ela não me respondia. Eu estava ainda mais irritado.
Empurrei-a contra a banca, sai da cozinha e fechei a porta da cozinha com muita força.
"Mulher estúpida! Mulher estúpida!".
A casa ficou em silêncio durante muito tempo.
Os miúdos lá em cima finalmente se calaram. Da cozinha nada se ouvia. Assim estava melhor. Respirei fundo e levantei-me novamente.
Fui à cozinha e ela estava sentada na mesa, com a cara enterrada nas mãos, olhei para o chão e as compras ainda estavam por arrumar. Ali estavam as lâmpadas para os candeeiros. Ela comprou as lâmpadas.
"O Jantar não se faz?" perguntei-lhe, tentando controlar-me para não me irritar novamente por causa das compras e tentando agradecer por comprar as lâmpadas.
Saí outra vez da cozinha e sentei-me no sofá a ver futebol.
As quartas são sempre dias tão compridos...


Gabriel Braga

publicado por JoãoSousa às 16:05
link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De Anónimo a 11 de Abril de 2005 às 23:09
Tens de começar a tomar Xanax às 4as feiras... :-)Carlos Tavares
(http://o-microbio.blogspot.com)
(mailto:carlos.roquegest@mail.telepac.pt)


De Anónimo a 11 de Abril de 2005 às 18:36
Um tipo de vida q n queria decididamente ter pa mim nem com a minha familia!!beijokas.andrye
(http://andrye.blogs.sapo.pt)
(mailto:andrye@sapo.pt)


De Anónimo a 11 de Abril de 2005 às 15:49
A verdade das palavras consegue ser cruel...texto fantástico. um beijo*Virgínia Pedras
(http://semipoetisa.blogs.sapo.pt)
(mailto:gina_pedras@yahoo.com)


De Anónimo a 11 de Abril de 2005 às 13:51
Uma narrativa chocante...de uma verdadeira besta!!!!inconfidente
</a>
(mailto:inconfidencias@sapo.pt)


Comentar post

.mais sobre mim

.Janeiro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.Presente

. À lembrança

. À escrita

. ...

. ...

. Às vezes

. ...

. Lhasa

. Balanço Anual

. Soneto débil

. One Night Stand

.Em Antena

.Passado

.Em Leitura


O Mundo de Sofia - Jostein Gaarder



O Amor Em Tempos de Cólera - Gabriel Garcia Márquez


O romance da raposa - Aquilino Ribeiro


A Arte da Fuga - Daniel Sampaio


Laranja Mecânica - Anthony Burgess



Tudo Que Temos Cá Dentro - Daniel Sampaio

.Blogs

Naif Naif
Studio 78
Marilia's Livejournal
Antigos Caminhos
O Micróbio
Photo of the Day Ng
Cine Blog
A whisper in your hear
O Meu Entendimento
Emanuela
Dentro de Mim
Parlamento do Pica Pau
Gritos Mudos

.Videos

Luciano Pavarotti & DOlores O'riordan - Avé Maria Arcade Fire - Wake Up Sigur Rós - Hoppipolla "I recorded my Amaryllis flower with my webcam for a month, taking 1 photo every 13m 20s. It is played back here at 25 frames per second to Liz Phair's song "Flower". This is my first attempt at timelapse photography, so it's not perfect, but not bad." - by paul Newson

.Imagens

blogs SAPO