Domingo, 5 de Março de 2006

A Vida como Exemplo

"O homem que morre antes da morte, não morre quando a morte chega..."

Estamos perante um Escritor (Rui Madeira) e a sua vontade de “mudar a forma” – assim designa ele o seu desejo, ou melhor, a sua necessidade, de voltar a dar um sentido à vida e ao seu trabalho enquanto criador. Este Escritor tem um amigo de longa data, o seu Editor (Valdemar Sousa), que tenta vender os seus livros. Contudo o interesse por eles cai proporcionalmente à intensidade das tentativas do Escritor de "mudar a forma". O Editor tenta perceber que tipo de mudança, o seu amigo deseja levar a cabo. O Escritor dá, em traços gerais, exemplos retirados da história que o têm vindo a ocupar, nos últimos tempos. O Editor, por seu turno, propõe ao amigo que escreva um livro baseado nesses seus esboços, aproveitando para lhe lembrar que do seu último o livro apenas foi vendido um exemplar.

O Editor aproveita, ainda, para referir, que esse único exemplar havia sido adquirido pela Mulher da Máscara (Mónica Lara), como é designada, nos seus sonhos, pelo Escritor, essa mulher desconhecida, já que, de facto, apenas DUAS COISAS ocupam a mente do Escritor: as mulheres e as discussões metafísicas. A Mulher da Máscara mais não é do que a mulher do Editor, que acaba por ter de a "ceder" ao seu amigo escritor.

exemplo1.gif

No futuro livro do Escritor, será incluída a história relativa às últimas palavras pronunciadas pelo astronauta americano Neil Armstrong na Lua, dirigidas a desconhecidos. Estes personagens do Escritor aparecem em cena (Mrs. Górskiy – Solange Sá, e Mr. Górskiy – Carlos Feio...). Em cena aparece também um outro futuro personagem do Escritor, Albert Einstein, que tenta rejuvenescer até ao estádio de embrião, voltando mesmo ao útero materno...

exemplo2.JPG

“ A Vida Como Exemplo” é um exemplo da pluralidade e da eternidade da vida e do destino do ser humano e, talvez, a morte não seja uma "piada" assim tão temível e terrível, quanto o parece ser à primeira vista, mas sim a continuação do exemplo eterno da própria vida em si.

(Fonte: Companhia de Teatro de Braga)

publicado por JoãoSousa às 20:47
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Anónimo a 12 de Março de 2006 às 14:19
Eu pedro .... aconselho vivamente a ver esta peça, q demonstra q ainda s faz bom teatro neste pais =P @@pedro .e..
</a>
(mailto:shakti_70@hotmail.com)


De Anónimo a 5 de Março de 2006 às 23:46
Ainda estou a tentar dissecar a frase...Carlos Tavares
(http://o-microbio.blogspot.com)
(mailto:carlos.roquegest@mail.telepac.)


Comentar post

.mais sobre mim

.Janeiro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.Presente

. À lembrança

. À escrita

. ...

. ...

. Às vezes

. ...

. Lhasa

. Balanço Anual

. Soneto débil

. One Night Stand

.Em Antena

.Passado

.Em Leitura


O Mundo de Sofia - Jostein Gaarder



O Amor Em Tempos de Cólera - Gabriel Garcia Márquez


O romance da raposa - Aquilino Ribeiro


A Arte da Fuga - Daniel Sampaio


Laranja Mecânica - Anthony Burgess



Tudo Que Temos Cá Dentro - Daniel Sampaio

.Blogs

Naif Naif
Studio 78
Marilia's Livejournal
Antigos Caminhos
O Micróbio
Photo of the Day Ng
Cine Blog
A whisper in your hear
O Meu Entendimento
Emanuela
Dentro de Mim
Parlamento do Pica Pau
Gritos Mudos

.Videos

Luciano Pavarotti & DOlores O'riordan - Avé Maria Arcade Fire - Wake Up Sigur Rós - Hoppipolla "I recorded my Amaryllis flower with my webcam for a month, taking 1 photo every 13m 20s. It is played back here at 25 frames per second to Liz Phair's song "Flower". This is my first attempt at timelapse photography, so it's not perfect, but not bad." - by paul Newson

.Imagens

blogs SAPO