Terça-feira, 31 de Maio de 2005

José (Cartas a um filho)

Meu filho, é a tua mãe.

Como estás? A tua mãe está bem por aqui na terra. Ontem tive a lavrar o campo aqui atrás de casa e depois matamos o anho para a festa no Domingo. Tu não vais comer o anho de que tanto gostas meu filho.
O teu pai continua a levantar-se às 7 para ir pescar e continua também a não trazer nada para casa. Depois lá vai para o trabalho e chega a casa a resmungar, mas no fundo gosta muito do trabalho e gosta ainda mais de chegar a casa. Já sabes como ele é...
O teu irmão passou mais um ano na escola. Está tão grande e inteligente. Já sabe os números e as letras todas. Já escreve o nome todo dele, o meu, o do pai. Só tem ainda dificuldades em escrever o teu. Diz que é difícil. Que é difícil. Mas é muito inteligente e quer seguir o mesmo que tu.
A tua irmã lá anda toda feliz a preparar-se para o casamento. Já tratou do vestido, dos convidados e teve de arranjar outro padrinho visto que tu não podes.
Ainda nem acredito que ela vai casar. Acabou na semana passada o curso de computadores que estava a tirar e o futuro marido (um homem bom para ela, sim senhora) arranjou-lhe emprego como secretária no mesmo sitio que ele. Assim podem estar sempre juntos o que é muito bom. Agora só espero pelos netos. Ela disse que um ia ter o teu nome ou o nome do teu pai. Se for menina vai-se chamar Miriam.
Nesta altura estarias tu a passar para a universidade.
Serias já mais alto que o teu pai e continuarias a ter a minha cara. Porque toda a gente diz que tu eras igual a mim. Tal e qual.
Se estivesses cá agora, eu iria contigo todos os dias até à porta da faculdade, só para te fazer companhia. E depois, quando as aulas acabassem, virias com os teus amigos para casa (como sempre fizeste, desde da primária). Irias fazer as brincadeiras que sempre fazias no caminho para casa, como tocar à campainha da Dona Rita e fugir (eu sempre te ralhava quando fazias isso, mas no fundo ria-me. Eras tão malandro), apesar de já seres grande. E continuavas a trazer-me fruta que roubavas nos pomares ou flores que apanharias no caminho. Como sempre fazias, todos os dias, tão bondoso, tão querido.
E eu lembro-me.
Aos fins-de-semana ias com o teu pai para a pesca e arranjavas sempre maneira de ele trazer alguma coisa para casa. Depois ias com ele para o campo, ficavam a tarde toda a guardar as ovelhas. Tu lias-lhe o jornal e havia alturas em que até o ensinavas a ler. Ele bem resmungava quando não conseguia, mas tu sempre davas um jeito para o fazer querer aprender mais.
E todas as noites ajudavas o teu irmão com os deveres e brincavas com ele.
Quando era hora de dormir, deitavas-te, fingias que dormias e a meio da noite fugias pela janela do teu quarto, que é baixinha.
Ias com o teu amigo para o meio do campo, ficavam até ao nascer do dia a fumar cigarros que ele roubava ao pai, ficavam a falar e a fazer planos para o futuro fora da terra. Às vezes ele arranjava umas dessas revistas de mulheres e foi assim que descobriram o sexo, o corpo.
Todos os dias me lembro da tua cara cansada a acordares para ires às aulas. Sempre cansado por causa das noitadas no campo, mas nunca faltaste, uma única vez a uma única aula.
E na noite a seguir lá ias tu novamente para o meio do campo, sempre para o mesmo sítio. Só tu e ele, falarem das vossas aventuras mais desejadas, das maravilhas que ouvias no rádio e que querias conhecer. Fumavam tabaco que ele roubava ao pai, liam livros de poemas que traziam da escola.
E no dia a seguir lá ias tu mais uma vez. Com o teu irmão de mão dada para a escola. Encontravas-te com os teus amigos e eu via-te pela janela, sempre contente a caminhar para a escola.

Gabriel Braga

E para que fique bem e como acho importante (apesar de fazer completamente o contrario...) Hoje é dia do Não fumador. Tentemos!

smoke.gif

publicado por JoãoSousa às 12:24
link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De Anónimo a 21 de Junho de 2005 às 08:18
Resposta ao Anjo...

Por que duvidaste de minha existência, existência essa que embóra duvidosa, deixou marcado na tua súbita memória a lembrança do meu doce perfume e não o aroma da flor que anuncia a chegada da primavera, renascer de um longo inverno sombrio.
Se achas que estou aqui para te salvar, estas errado. Estou a espera de teus braços, abraços, de teu calor para que afastes de mim essa nevoa que me persegue.
Larga estes teus pensamentos, esta tua ânsia de me procurar e me encontra, apenas me encontra.
Pare de se cnsumir, assim te condenaras a eternidade só. Será isso bom? Para ti? Para mim não!
Não esperes que eu apareca, pois de mim tens a reconhecer o aroma das rosas mais de ti, nada tenho que não seja a esperança de te encontrar. Para que possamos viver em harmonia.

Te espero, até que me encontre, e espero que me encontre a tempo.anônimo
</a>
(mailto:)


De Anónimo a 2 de Junho de 2005 às 16:59
Nem sabia q tinha sido o dia do n fumador!Essa carta mostra a dor e o amor q essa mãe trazia dentro do peito..beijokas grandes.andrye
(http://andrye.blogs.sapo.pt)
(mailto:andrye@sapo.pt)


De Anónimo a 2 de Junho de 2005 às 16:15
não esquecer por favor a metafisica do cigarro. fumai mas fumai pouco e só em algumas ocasioes. naquelas ocasioes em que vamos para o campo com o nosso pai, ou quando estmos a escrever um poema numa paisagem qualquer num sitio bonito num país qualquer.Jack
(http://razorsharpedteethdogs.blogspot.com/)
(mailto:jackpidwell@sapo.pt)


De Anónimo a 31 de Maio de 2005 às 17:29
Este texto parece aquela música dos "Cabeças no Ar"... "Querido pai, querida mãe, então que tal?...." Como sou não-fumador, talvez dê uma "passinha" para comemorar!Carlos Tavares
(http://o-microbio.blogspot.com)
(mailto:carlos.roquegest@mail.telepac.pt)


Comentar post

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 25 seguidores

.Janeiro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.Presente

. À lembrança

. À escrita

. ...

. ...

. Às vezes

. ...

. Lhasa

. Balanço Anual

. Soneto débil

. One Night Stand

.Em Antena

.Presente

. À lembrança

. À escrita

. ...

. ...

. Às vezes

. ...

. Lhasa

. Balanço Anual

. Soneto débil

. One Night Stand

.Em Leitura


O Mundo de Sofia - Jostein Gaarder



O Amor Em Tempos de Cólera - Gabriel Garcia Márquez


O romance da raposa - Aquilino Ribeiro


A Arte da Fuga - Daniel Sampaio


Laranja Mecânica - Anthony Burgess



Tudo Que Temos Cá Dentro - Daniel Sampaio

.Blogs

Naif Naif
Studio 78
Marilia's Livejournal
Antigos Caminhos
O Micróbio
Photo of the Day Ng
Cine Blog
A whisper in your hear
O Meu Entendimento
Emanuela
Dentro de Mim
Parlamento do Pica Pau
Gritos Mudos

.Videos

Luciano Pavarotti & DOlores O'riordan - Avé Maria Arcade Fire - Wake Up Sigur Rós - Hoppipolla "I recorded my Amaryllis flower with my webcam for a month, taking 1 photo every 13m 20s. It is played back here at 25 frames per second to Liz Phair's song "Flower". This is my first attempt at timelapse photography, so it's not perfect, but not bad." - by paul Newson

.Imagens

SAPO Blogs