Domingo, 15 de Fevereiro de 2004

...

Acordei novamente.
Estava perdido por entre os lençóis, rendido nas almofadas, vencido pelo sono. Mas tive de voltar a acordar, não sei como, não sei porquê. Sei apenas que o meu coração batia tão com tanta força, latejava-me o cérebro, fazia-me respirar mais depressa para poder acompanhá-lo naquela luta estupidamente rápida.
Então tudo parou subitamente. O tecto parou de rodar, a minha vista já não tremia, o meu coração não me doía no peito, o meu cérebro estava descansado e então sorri enquanto olhava para a janela, aberta, por onde entrava o vento frio da noite, as sombras escuras que sempre ali estavam, as estrelas e metade de uma Lua.
Sentia-me quente, tirei os lençóis. Senti o vento envolver rapidamente o meu corpo nu, fazendo-me cócegas e arrepiando-me. Estava suado. Voltei a deitar a cabeça nas almofadas. Passei um bocado pelo silêncio, fechei os olhos, dei-me de novo à escuridão. Enquanto esperava que a solidão viesse novamente adormecer-me eis que senti uma mão fria e leve tocar no meu peito suado. Abri os olhos e fiquei fixo em ti.
Estavas lá, na minha cama, a meu lado, e tocavas-me como nunca me tinhas tocado. Sorrias também de maneira diferente. Olhavas-me com uma paixão tal que me cegaste por momentos.
E então quebraste aquela imagem quando começaste a mexer a tua mão, passando-a por todo o meu corpo, ao mínimo pormenor, como se me quisesses arrefecer com a tua mão gélida.
Em câmara lenta deitaste a cabeça em mim, sentiste o meu coração e disseste-lhe para bater mais devagar, cada vez mais devagar. Depois subiste devagar a cabeça, e tocaste-me nos lábios com os teus. O teu beijo suave, simples, frio é pior que todos os pecados que possam existir. Senti de repente a tua alma tocar na minha, sentia-me tão frio, tão parado, quase morto. Tu falavas-me qualquer coisa enquanto me beijavas mais e mais, tão suavemente, como se me estivesses a dar algo que ninguém pode ou consegue dar.
E então pegaste-me na mão, agora tão fria como a tua, levantaste-me o corpo e suspiraste-me enquanto me puxavas para a janela “Agora sim, estas pronto para voar…”

Gabriel Braga

publicado por JoãoSousa às 21:02
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Anónimo a 15 de Fevereiro de 2004 às 21:40
Talvez o mais tocante post teu k já li... incrivel com m apaixono facilmente por tudo o que escreves e o sinto como se fosse comigo.sydney
</a>
(mailto:)


Comentar post

.mais sobre mim

.Janeiro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.Presente

. À lembrança

. À escrita

. ...

. ...

. Às vezes

. ...

. Lhasa

. Balanço Anual

. Soneto débil

. One Night Stand

.Em Antena

.Passado

.Em Leitura


O Mundo de Sofia - Jostein Gaarder



O Amor Em Tempos de Cólera - Gabriel Garcia Márquez


O romance da raposa - Aquilino Ribeiro


A Arte da Fuga - Daniel Sampaio


Laranja Mecânica - Anthony Burgess



Tudo Que Temos Cá Dentro - Daniel Sampaio

.Blogs

Naif Naif
Studio 78
Marilia's Livejournal
Antigos Caminhos
O Micróbio
Photo of the Day Ng
Cine Blog
A whisper in your hear
O Meu Entendimento
Emanuela
Dentro de Mim
Parlamento do Pica Pau
Gritos Mudos

.Videos

Luciano Pavarotti & DOlores O'riordan - Avé Maria Arcade Fire - Wake Up Sigur Rós - Hoppipolla "I recorded my Amaryllis flower with my webcam for a month, taking 1 photo every 13m 20s. It is played back here at 25 frames per second to Liz Phair's song "Flower". This is my first attempt at timelapse photography, so it's not perfect, but not bad." - by paul Newson

.Imagens

blogs SAPO