Domingo, 29 de Fevereiro de 2004

O convite I

Quando me bateste à porta, senti-me de tal maneira feliz que não podias imaginar… as pancadas secas na madeira eram como os batimentos do meu coração. Mas ao mesmo tempo destroçava-me saber que te tinha de abrir a porta. Virias tu, no teu manto negro de viagem, com a tua bengala de apoio para tão longas caminhadas. Virias fria, cansada, sem a menor expressão no rosto.
Encostei-me à porta debatendo-me entre a vontade de te abrir, deixar-te entrar, invadires-me, e entre a vontade de te deixar sozinha, ao frio da noite, continuando a bater na porta… o meu coração saltava de indecisão. Então, pelo sim pelo não deixei-te entrar, pedindo distância de ti.
Tu, sentada num sofá, e eu noutro. De olhos fixos na lareira, descalçavas as botas, com os teus pés feridos do caminho. Pediste-me água para ti, e água quente para os teus pés. Atendi o teu pedido.
Tinhas tirado a capa e podia ver os teus cabelos desgrenhados, desajeitados, mas com o brilho intenso de sempre. A tua pele estava mais queimada do sol, mas mesmo assim numa palidez incrível. Os teus dedos tremiam enquanto seguravas o copo. Perguntaste se podias fumar e eu deixei-te. Não é costume deixar alguém fumar perto de mim, mas deixei-te. Os cigarros acalmam-te.
Perguntaste na tua voz cansada, mas mesmo assim poderosa, se era hoje que iria contigo caminhar. E eis então que me deparei na duvida… Era eu, capaz de caminhar contigo? Na noite escura, ao frio, com as botas que me magoavam os pés, com o coração saltando desenfreadamente, com a tristeza à minha volta, o silencio apertando-me a garganta, as lágrimas secas que não me deixavam chorar? Como poderia eu abandonar aquele conforto? Aquele sofá, aquele crepitar da lareira? Deixar a minha casa, abandona-la? Deixa-la à mercê do pó, do esquecimento, da amargura de ter partido sem lhe dar um novo companheiro? Apenas teria o meu gato para conviver com as suas paredes, brincar com os seus moveis… não! Não estava disposto a deixa-la. Nem à casa, nem ao gato, nem à lareira que agora ardia mais intensamente, como se me chama-se a atenção de que se eu partisse também ela se apagasse para sempre, nas cinzas tristes das recordações de outrora, quando a acendia e ficava horas embrenhado nas suas chamas… quando brincava com o seu poder, quando me deitava no tapete em frente a ela, despido, enrolando-me com alguém vivo, com cor, com alma…

Gabriel Braga (numa noite irreal rodeado pela escuridão e preso pela musica)

publicado por JoãoSousa às 02:31
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Anónimo a 29 de Fevereiro de 2004 às 02:55
Está profundo... está simples... está bonito... Valeu a pena os momentos a lê-lo...
Ah! Quase me esquecia... obrigada pela visita :) Bom Dia! (:eUziNha
(http://aaaivida.blogs.sapo.pt)
(mailto:saracapote@hotmail.com)


Comentar post

.mais sobre mim

.Janeiro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.Presente

. À lembrança

. À escrita

. ...

. ...

. Às vezes

. ...

. Lhasa

. Balanço Anual

. Soneto débil

. One Night Stand

.Em Antena

.Passado

.Em Leitura


O Mundo de Sofia - Jostein Gaarder



O Amor Em Tempos de Cólera - Gabriel Garcia Márquez


O romance da raposa - Aquilino Ribeiro


A Arte da Fuga - Daniel Sampaio


Laranja Mecânica - Anthony Burgess



Tudo Que Temos Cá Dentro - Daniel Sampaio

.Blogs

Naif Naif
Studio 78
Marilia's Livejournal
Antigos Caminhos
O Micróbio
Photo of the Day Ng
Cine Blog
A whisper in your hear
O Meu Entendimento
Emanuela
Dentro de Mim
Parlamento do Pica Pau
Gritos Mudos

.Videos

Luciano Pavarotti & DOlores O'riordan - Avé Maria Arcade Fire - Wake Up Sigur Rós - Hoppipolla "I recorded my Amaryllis flower with my webcam for a month, taking 1 photo every 13m 20s. It is played back here at 25 frames per second to Liz Phair's song "Flower". This is my first attempt at timelapse photography, so it's not perfect, but not bad." - by paul Newson

.Imagens

blogs SAPO